O motorista de ônibus Ernesto Branco da Silva, de 49 anos, foi baleado por um passageiro, na noite desta terça-feira, na Avenida Brasil. O crime ocorreu após o passageiro, que já havia discutido com outra pessoa dentro do veículo, ter mandado, aos palavrões, Ernesto parar o ônibus fora do ponto, na altura de Benfica, na pista lateral no sentido Centro. Ernesto não parou o veículo, mas, segundo testemunhas, sequer discutiu. Ele foi atingido nas costas, no braço e na mão, foi levado para o Hospital Souza Aguiar, mas não corre perigo de morte.

Segundo a trocadora do ônibus, Lucimar Souza da SIlva, de 42 anos, o passageiro estava muito nervoso desde o ponto de embarque, na altura da favela Parque União. Ele sentou no fundo do veículo. A certa altura, discutiu com outra pessoa perguntando: “Você está olhando o quê?”. Lucimar contou que, logo depois, o criminoso mandou o motorista parar e, como o veículo continuou o trajeto, ele xingou Ernesto, foi até a roleta, de onde desferiu dois tiros contra ele. Em seguida, pulou a roleta, atirou outras duas vezes contra a vítima e saiu pela porta da frente com o ônibus em movimento.

- Um monte de gente se jogou no chão. Tive, com a ajuda de outro passageiro, de correr para puxar o freio de mão porque o Ernesto ficou ferido sobre o volante -relembrou ela, que está na linha 342 (Jardim América-Castelo), da empresa Pavunense, há sete meses.

No Hospital Souza Aguiar, os filhos de Ernesto estavam impacientes porque ninguém da empresa fora à unidade hospitalar ver como estava o estado de saúde do pai. Aldecy Antônio de LIma Silva, de 26 anos, contou que conversou com o pai. Ernesto contou para o filho que viu o passageiro apenas pelo retrovisor, sequer saindo da cadeira.

- Meu pai está fora de perigo. Os médicos estão vendo se vão operá-lo para retirar a bala das costas. Mas a bala do braço e a da mão foram retiradas - disse Aldecy.

O caso foi registrado na 17ª DP (São Cristóvão).