Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Militares do Grupamento da Polícia Militar de Traipu foram acionados, no final da tarde desta segunda-feira (04), para conter uma confusão entre vereadores, o prefeito do município e seu secretariado, durante uma sessão pública na Câmara do município.

O site Cada Minuto Falou com a presidente da câmara, a vereadora Conceição Tavares, que afirmou que estava em sessão aberta, cuja pauta seria Operação Mascocth. “Antes mesmo de nós darmos início a sessão, a casa foi invadida pelo prefeito, Marcos Santos e seu secretariado”. Afirma a vereadora.

Após a Polícia Militar ser acionada, a oposição se retirou do local, "Nós vereadores fomos agredidos com palavras e atos de vandalismo, pois eles chegaram a quebrar cadeiras na câmara" diz Conceição.

Ainda segundo a vereadora além dela, os vereadores agredidos foram Erasmo Dias, José Eduardo Santos e Valter Santos. "Não foi ninguém que causou essa situação, essa situação foi causada pelo prefeito e cabe aos vereadores cumprir o papel, a situação no município está insustentável", desabafa.

Na sessão a presidente do Sinteal, Célia Capistrano, pediu uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para que, diante dos acontecimentos, seja investigado o desvio de merenda.
Conceição informou ainda que nesta terça-feira, às 10 horas irá junto a outros vereadores ao Ministério Público Estadual (MPE) para comunicar às autoridades o que está acontecendo no município.

"Nós só queremos que ele trabalhe em prol do povo", conclui.

Após o tumulto, a sessão aconteceu e a situação foi normalizada algum tempo depois. Conceição afirma que só conseguiu sair do prédio da Câmara algumas horas depois. “Eu saí escoltada por três carros da PM, pois havia pessoas da oposição nos esperando do lado de fora para nos agredir, os vereadores estão sendo impedidos de realizar seus trabalhos, que é fiscalizar”, acrescenta.