Agência Câmara Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Rui Palmeira

O deputado federal Rui Palmeira (PSDB/AL) afirmou nesta quinta-feira (31) que “agora o governo federal terá que dar uma resposta à altura do enorme transtorno causado pelo apagão de fevereiro, quando mais de 40 milhões de nordestinos ficaram no escuro. O TCU tem que investigar a Chesf ”.

A fala do parlamentar ao Cada Minuto ocorreu nesta quinta-feira (30) em virtude do acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU) que determina a realização de auditoria na Chesf. O requerimento de auditoria destinado ao Tribunal contou com apoio e assinatura de Rui Palmeira, que defendeu a investigação rigorosa no mesmo dia do incidente.

“Propus e assinei o requerimento em parceria com outros colegas deputados porque não podemos nos calar diante deste absurdo. Em pleno século XXI o país exige crescimento econômico e social, vai receber eventos mundiais, quer erradicar a pobreza, mas ainda sofre com o problema crônico dos apagões. E o pior é que nunca as informações são consistentes, nunca as explicações são transparentes” afirmou Rui Palmeira.

A auditoria vai apurar as causas do apagão e os pontos de risco mais críticos na distribuição de energia para o Nordeste, no que diz respeito à atuação da Companhia Hidroelétrica do São Francisco – Chesf. O requerimento de auditoria junto ao TCU contou com a assinatura de deputados nordestinos, mas Rui Palmeia foi o único deputado alagoano a assinar o documento de pedido de autoria.

Eletrobras Alagoas

“Agora acredito que já passa da hora de cobrarmos respostas da Eletrobrás em Alagoas. Em Maceió e no interior a falta de energia é constante. A empresa precisa realizar mais investimentos de modo urgente. O que não pode é continuar prejudicando o consumidor que já paga muito caro pela energia consumida” destacou Rui Palmeira.

Ainda segundo o parlamentar “todos sofrem com o fornecimento precário de energia em Maceió e no interior. O setor turístico sofre, assim com o de serviços e a indústria. A população também tem prejuízos e imenso desconforto. A Eletrobrás tem que reverter este cenário que faz Alagoas, mais uma vez e lamentavelmente, ficar na contramão do desenvolvimento”, reiterou Palmeira.