Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A presidente do diretório estadual do Republicanos Alagoas e vice-prefeita de Arapiraca, Fabiana Pessoa, participou, nesta quinta-feira (5) na Câmara dos Deputados em Brasília, de uma sessão solene onde foram comemorados os 88 anos da conquista do voto feminino no Brasil.

O evento teve a participação de parlamentares republicanas, vereadoras, representantes de segmentos femininos do partido, lideranças, entre outras. A sessão solene foi mediada pela secretária nacional do Mulheres Republicanas, a deputada federal carioca, Rosangela Gomes.

Na oportunidade, Fabiana Pessoa destacou a importância da inserção da mulher na política brasileira. “Conquistamos o nosso espaço na política e através dele continuaremos trabalhando para garantir a elaboração e manutenção de políticas públicas que amparem, defenda e garantam os direitos das mulheres”, frisou a presidente estadual do Republicanos.

A CONQUISTA HISTÓRICA

No dia 24 de fevereiro de 1932, o voto feminino passou a ser assegurado pela legislação brasileira. A vitória foi conquistada depois de mais de 50 anos de mobilização e luta dos movimentos feministas, que já reivindicavam o direito no final do século 19, antes mesmo da proclamação da República. 

Em maio de 1933, na eleição para a Assembleia Nacional Constituinte, a mulher brasileira pôde, pela primeira vez, exercer o direito de votar e ser votada em âmbito nacional.  Naquele ano, a médica paulista Carlota Pereira de Queirós foi a primeira mulher a ser eleita deputada federal da América Latina. Ela também foi a única mulher eleita para compor a Assembleia Nacional Constituinte de 1934.

O Código Eleitoral de 1932 só permitia que votassem ou fossem votadas as mulheres casadas com o aval do marido ou as viúvas e solteiras com renda própria. O Código de 1934 retirou essas determinações, mas o voto feminino continuou sendo facultativo, com a obrigatoriedade prevista apenas para os eleitores homens. Apenas em 1946 o voto passou a ser obrigatório também para as mulheres.

Hoje, as mulheres representam mais da metade dos brasileiros aptos a votar e têm o poder de definir uma eleição.