Consórcio de empresas vai desativar o Lixão de Jacarecica

  • carlinhos
  • 11/08/2009 14:54
  • Maceió
O consórcio de empresas responsável pela construção do aterro sanitário de Maceió também fará a desativação do lixão de Jacarecica. O processo será feito de forma gradativa e obedece a uma das cláusulas do contrato firmado entre a Prefeitura e o consórcio.

 
Uma das primeiras medidas a serem tomadas será o cercamento e a iluminação de toda a área em torno do lixão. Em seguida serão recuperadas duas vias de acesso ao local, que futuramente será transformado numa área de lazer, com praça e mirante.

 
Com a primeira célula do aterro sanitário construída, as empresas darão início à compactação do lixo com argila. Também faz parte do processo de desativação a drenagem do gás que se forma com o acúmulo de lixo. Outra etapa importante será o pré-tratamento do chorume, que continuará sendo monitorado, mesmo com o fim das atividades no local.

 
“O contrato prevê ainda o monitoramento das águas e a plantação de gramíneas em toda a extensão do terreno”, revela o assessor técnico da Superintendência Municipal de Limpeza Urbana (Slum), Alder Flores. “Todo o local será recuperado para que a Prefeitura possa construir um mirante no local”, completa.

 
Outra preocupação do município é quanto às pessoas que hoje vivem do próprio lixão. Segundo Alder Flores, já foi feito um cadastramento das 320 pessoas que vivem no local, totalizando 320 pessoas. “Durante esse cadastramento constatamos que muitas pessoas possuem qualificação profissional para diversos trabalhos. São pedreiros, marceneiros e eletricistas, que poderão trabalhar inclusive na obra do aterro sanitário”, destaca o assessor da Slum.

 
AÇÃO SOCIAL
 
A Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas) também já vem colocando em prática um plano de ações para acabar com o trabalho de crianças na região do lixão.

 
De acordo com a diretora de proteção social especial da Semas, Bia Quirino, equipes da secretaria estão diariamente no lixão para acompanhar as ações de programas como o Peti, por exemplo, que busca a erradicação do trabalho infantil.

 
Ainda segundo ela, os adultos estão sendo encaminhados para cursos de capacitação e geração de renda, como alternativa para a realização de outros tipos de trabalho além da catação de lixo.