Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A mãe do bebê José Felipe Lima da Silva, de 1 ano, que morreu após ser espancado pelo pai no município de Arapiraca, Agreste alagoano, pode ser investigada por negligência. A informação foi dada pelo promotor de Justiça Mauricio Wanderley, em entrevista a imprensa nesta sexta-feira (6).

Segundo o promotor, a mãe do menino afirmou, de forma clara, que o marido era um homem violento, impaciente e que não aguentava ouvir o choro da criança. Por isso, a situação deve ser apurada para que se constate se houve outras agressões anteriormente.

Ainda segundo Mauricio Wanderley, desde o princípio ele entendeu que a atitude do pai era de quem queria matar e foi solicitado à Justiça que o crime fosse encaminhado para uma vara criminal. Com o óbito, o agressor deve responder por homicídio. Se for condenado, José Fábio de Lima, 25 anos, pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.

O caso

O pequeno José Felipe Lima da Silva, de 1 ano e um mês, ficou gravemente ferido após ser espancado na manhã da terça-feira (03), no bairro João Paulo II, na cidade de Arapiraca, Agreste de Alagoas. O pai do menino confessou a autoria das agressões e foi preso em flagrante.

Segundo informações passadas pela polícia, José Fábio de Lima, 25 anos, afirmou que apertou o pescoço do bebê, deu murros em sua barriga e o chutou.

Ainda segundo a polícia, José contou que o filho estava dentro do carrinho e começou a chorar, ele se aborreceu, perdeu o controle e agrediu o menino.

A criança foi socorrida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e foi levada para o Hospital de Emergência do Agreste (HEA). Na quarta-feira (4), foi transferida para o Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió, mas faleceu na manhã desta quinta-feira (6).

Segundo o Instituto de Medicina Legal (IML), o bebê foi morto por espancamento, com requintes de crueldade. O exame necropsia apontou que a principal causa da morte foi traumatismo crânio encefálico.

O pai do menino continua preso em uma cela isolada, no sistema prisional de Arapiraca.