Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Em entrevista à imprensa nesta quarta-feira (4), o delegado titular da 4ª Delegacia Regional de Polícia de Arapiraca (4ª DRP), Everton Gonçalves, disse que já existe uma negociação com as defesas dos suspeitos de assassinar o professor e suplente de vereador, Vandiele da Silva Araújo Rocha, morto na última sexta-feira (30/8), para que eles se apresentem à polícia.

Segundo o delegado, os dois homens já foram identificados e já há mandados de prisão preventiva decretada contra eles, expedidos durante o último fim de semana.

Everton Gonçalves explicou que, na segunda-feira (2), os advogados dos acusados, um particular e outro pela Defensoria Pública, já entraram em contato com a polícia para negociar as apresentações dos mesmos, mas até o momento não foram concretizadas.

“Estamos buscando, procurando eles, se acharmos vamos prendê-los. Se por ventura eles se apresentarem e ainda estiverem com as prisões preventivas decretadas serão presos. Se a Justiça revogar serão ouvidos e liberados”, explicou Gonçalves.

O delegado também informou que irá combinar com os advogados dos suspeitos para que eles se apresentem até o meio dia de desta quinta-feira (5). Caso eles não se entreguem, a polícia irá divulgar as identidades deles para que a população ajude a localizá-los, por meio de denúncias.

O crime

O professor e suplente de vereador Vandiele da Silva Araújo Rocha, 41 anos, foi encontrado morto dentro da  sua residência no final da manhã do dia 30 de agosto, em Arapiraca. O corpo foi encontrado por amigo de Vandiele que dormiu no local.

De acordo o amigo, que não teve a identidade divulgada, ele e o professor sairam de um evento na quinta-feira (29) e pararam em um posto de combustível para comprar bebidas. O professor teria conhecido dois homens e convidado os mesmo para beber em sua casa.

O amigo contou a polícia que foi dormir e ao acordar encontrou Vandiele morto com uma faca de serra no pescoço. Os suspeitos levaram o veículo do professor um Up, de cor branca e placa QLA-4817, que foi encontrado em chamas, um dia depois, em uma estrada vicinal, na zona rural do município de Igaci.

Um celular, que pode ser de um dos suspeitos, foi encontrado pela Polícia Militar na residência do professor.