PMDB perde 500 cargos no governo do estado

  • eduardocardeal
  • 09/08/2009 04:14
  • Política
Três secretarias de Estado, sete órgãos e empresas públicas e aproximadamente 500 cargos na administração. É com este capital político e espaço na máquina pública que o governador Jaques Wagner conta para atrair novos aliados e consolidar sua chapa à reeleição em 2010, após a saída do PMDB de sua base. Nesta sexta,07, concluindo o desembarque peemedebista, o secretário de Ciência e Tecnologia, Ildes Ferreira, ligado ao deputado federal Colbert Martins (PMDB), entregou carta com pedido de exoneração, um dia depois de o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) anunciar o rompimento e chamar o governo Wagner de “medíocre”.

Nesta sexta, o governador se reuniu com seu núcleo político e secretários,  já trabalhando na recomposição do governo, mas preferiu não adiantar nomes. Fato é que, com a saída do PMDB, que segunda-feira vai oficializar também o distanciamento da bancada governista no Legislativo, o governador vai partir com força para atrair  e fortalecer a relação com legendas como o PDT, PR, PP, PTB, PRB e PSC.

Tudo isso para garantir sua reeleição, com chapa competitiva em 2010, que não sinta o baque da perda de um aliado fundamental para sua vitória em 2006 e que hoje possui 115 prefeituras no Estado e bancada estadual de oito deputados.

Maioria – Além de assegurar que não haverá descontinuidade no governo com  a saída  do PMDB, o governador minimizou a possibilidade de fragilização de sua base na Assembleia. “Mesmo o PMDB saindo, mantemos uma maioria de membros na nossa base e, a partir daqui, trabalharemos com essa nova realidade, sem nenhum problema”.