Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

A empresária Marizete Maria de Oliveira, de 41 anos, que teve os dedos decepados por uma dupla de assaltantes na última terça-feira (30), no município de Arapiraca, em Alagoas, deu uma entrevista à Rádio Pajuçara FM Arapiraca nesta sexta-feira, dia 2, contando detalhes sobre o crime.

De acordo com o relato da vítima, ela estava dentro de uma oficina mecânica quando os dois suspeitos, que estavam em uma motocicleta, invadiram o local. “Ele desceu da moto, puxou a arma e colocou na minha cabeça pedindo a chave do carro”.

Após a vítima informar que não estava com as chaves do veículo, um dos suspeitos pediu para o colega pegar as ferramentas do crime. “O comparsa dele pegou a faca, pegou o martelo, botou o meu primeiro dedo, botou a faca e meteu o martelo. E ele [suspeito] tapou minha boca. Depois de uns cinco minutos, ele me pediu as chaves do carro de novo. Eu balancei a cabeça porque estava com a boca amarrada. Ele pegou meu outro dedo e pegou a faca, o martelo e cortou de novo”.

Ainda durante o crime, a dupla seguiu com as ameaças, sugerindo cortar todos os dedos da mulher, cortar a mão e estuprá-la. “Ele pegou meu rosto e segurou para eu ver. Nesse exato momento, que ele falou que iria me violentar, ele tocou meus seios, abriu minha braguilha e o outro [estava] com a faca no terceiro dedo”.

A vítima contou ainda que um dos suspeitos abriu seu sutiã, quando a quantia de R$2 mil caiu. “Ele teve a ousadia de contar [o dinheiro]”. Ainda durante o relato, a empresária disse que um dos suspeitos sugeriu ao outro ir embora. “Quando ele disse isso, me empurrou, colocou minhas mãos pra trás e deu um chute na minha barriga”, explicou a vítima.

Quando o esposo de Marizete chegou ao local, segundo a vítima, ele encontrou-a desacordada. “Ele abriu a porta e me viu toda ensanguentada. Nesse momento, ele ligou pra Samu, pra polícia e pra minha família. Eu só acordei na emergência”, relatou.

Investigações

A Polícia Civil iniciou as investigações para tentar identificar e prender os suspeitos do crime brutal. As equipes procuram pistas que levem à dupla e tentam também imagens que possam ajudar a identificar os envolvidos.

Duas delegacias estão investigando o caso e a suspeita é que, pelo tipo de crime cometido, os suspeitos tenham algum tipo de envolvimento em outras ações criminosas.