Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Após uma vistoria, o presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Alagoas (Sindpol), Ricardo Nazário, constatou que centenas de veículos apreendidos continuam no pátio da delegacia regional de Arapiraca, poluindo o ambiente de trabalho dos policiais.

“A situação é deplorável com amontoado de carros e motos. Isso representa perigo aos policiais civis e a população.”, alertou o sindicalista, que disse também ter realizado diversas denúncias e cobranças ao Governo do Estado, à Secretaria de Segurança Pública, à Polícia Civil e ao Conselho de Segurança Pública, mas nada de fato foi efetivado.

Segundo o Sindpol, o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Tutmés Airan, havia informado a Ricardo Nazário em março passado, que realizou parceria com o Executivo para que os automóveis e motocicletas, apreendidos nas delegacias, que estiverem em bom estado de uso seriam leiloados, e os que não tiverem, seriam descartados.

“Mais uma vez, encontramos essa situação precária, que os policiais civis convivem. Há proliferação de insetos, escorpiões e mosquitos, que podem transmitir chikungunya, zika e a dengue. Até o momento, nenhuma autoridade tomou providência para retirar esses veículos, que prejudica a saúde dos policiais civis e da população”, disse Ricardo Nazário, e revelou que o Sindpol está solicitando nova reunião com o presidente do Tribunal do Justiça para saber o porquê dos carros e motos continuarem nas delegacias.

Na regional, o Sindpol também registrou as condições precárias da carceragem que se encontram os presos. Em uma pequena área com menos de quatro metros quadrados, há lixos e insetos. Os detentos informaram que chegam a dormir no banheiro, por falta de espaço. São oito presos no local.

A psicóloga Joyce Brandão, que participou do programa Sindpol em Ação, destacou que alguns fatores geram desmotivação aos trabalhadores. Em observação à regional de Arapiraca, a profissional destacou que “o ambiente é hostil, sem higiene e desmotivador. Esses fatores influenciam negativamente, desmotivando o policial. A delegacia não oferece uma estrutura mínima de trabalho”, esclareceu.