Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Uma das apostas nas feiras de literatura pelo país – sobretudo a Feira Literária Internacional de Paraty (Flip), que começou em 2003 – é a onipresença de uma programação voltada para as crianças.

O público infantil acaba sendo “alvo fácil”, já que os livros carregam cores, formatos distintos, palavras dentro do léxico delas e, claro, muitas histórias para compartilhar.

O que mais magnetiza a criança é a abordagem com que se mostra um enredo. Há toda uma entonação da voz durante uma contação.

E isso vai encher os olhos e os ouvidos dos que forem para a Feira Literária de Arapiraca (Fliara) entre esta quinta-feira (15) e o domingo (18) na Praça Luiz Pereira Lima, no Centro da cidade (veja a programação completa aqui).

Dois momentos e espaços distintos (mas que se dão as mãos) ocorrerão durante a Fliara em todos os dias de festa. O acesso a ambos é irrestritamente gratuito.

O primeiro é a Fliarinha, chamado assim no diminutivo mesmo, de forma carinhosa. Esta é uma parceria entre a Prefeitura de Arapiraca e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) que terá um ambiente na praça, sempre das 14h às 18h com oficinas e contação de histórias infantis.

O outro espaço é o Piquenique Literário, onde também haverá contação de histórias e uma “árvore de poemas”, com escritos de autores arapiraquenses como Milene Lima, Zé de Quinô e Cartuxo – este último terá no local uma exposição de seus trabalhos.

Em funcionamento das 15h às 18h tendo à frente do Piquenique a conselheira tutelar Joelma Araújo, haverá o auxílio de toda uma equipe pedagógica composta por Wesley Santana, Cláudia Araújo e Mirabel Santos Reis.

“Estou tão ansiosa por essa feira! Vamos levar toalhinhas e puffs para as crianças e seus pais poderem interagir com as dinâmicas que serão apresentadas durante todos os dias, em que teremos vários livros expostos ao chão”, revela a incentivadora cultural Joelma Araújo.

O intuito maior é fazer com que os pequenos arapiraquenses se encantem pela leitura desde cedo, dando a ela um significado novo – longe das obrigações didáticas da escola. Um verdadeiro convite a se sentar com o conhecimento, ao ar livre.