Fb29607b 46bf 42e1 9bd5 4e48990ceaf9

“Essa é uma oportunidade bacana e espero ter sabedoria para aprender. Sei que um futuro brilhante me espera”. Foi com essa expectativa que Juliana Camilo Ribeiro, de 19 anos, começou, nesta terça-feira (16), o curso profissionalizante para promotora de vendas. Ela é uma das 25 meninas e meninos, todos adolescentes infratores, que estão em cumprimento de medida socioeducativa e vão ter a oportunidade de aprender um ofício a partir de agora, graças a uma iniciativa do Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL).

O projeto se chama “Recomeçar – Oficina de jovens aprendizes” e, como seu próprio nome já diz, ele quer ser um instrumento de transformação social na vida dos adolescentes infratores que moram na cidade de Arapiraca. Idealizada pelos promotores de justiça Maurício Wanderley e Viviane Karla Farias, respectivamente titular e substituto da 7ª Promotoria de Justiça daquele município, a iniciativa vai beneficiar, até o final deste ano, cerca de 100 pessoas.

“Quanto mais longo um sonho, mais se enraíza a esperança. Nós desejamos muito conseguir as parcerias necessárias para ver a vida de cada um de vocês ser transformada. E conseguimos. Hoje teremos início o curso de promotor de vendas, fruto de um convênio com o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac). Em novembro, teremos os de computação e de eletricista, que serão oferecidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). E, em dezembro, haverá os cursos de informática e de mecânica de motos, a serem ministrados pela Prefeitura de Arapiraca. Ou seja, teremos aproximadamente 105 vagas para aqueles adolescentes que estão no regime de semiliberdade e em prestação de serviços à comunidade. E essa será, de fato, uma oportunidade para que eles possam mudar de vida. É com isso que sonho agora”, afirmou o promotor Maurício Wanderley, ao fazer a abertura solene das atividades.

Carlos Pessoa, gerente da unidade do Senac em Arapiraca, também comemorou a parceria estabelecida com o Ministério Público. “Uma das diretrizes do Senac é exercer o seu lado da responsabilidade social. Então, quando o MP nos fez esse convite, não pensamos duas vezes. Queremos participar ativamente da mudança na vida desses adolescentes”, disse ele.

“Eu nunca trabalhei nessa área, mas sei que essa é uma chance que eu não posso desperdiçar. Estou feliz poque vou aprender um ofício e, quando for empregado, poderei ajudar a minha família”, garantiu Emannuel Brendo dos Santos Silva, de 20 anos.
 

Empresários já abraçaram a causa6

E as parcerias conquistadas pelo Ministério Público não pararam por aí. Sabendo que, após as 160 horas de curso, esses jovens vão estar preparados para o mercado de trabalho, Maurício Wanderley mobilizou empresários de Arapiraca para que eles também pudessem abraçar o projeto. Os grupos Asa Branca e Unicompra e o Supermercado São Luiz já garantiram que empregarão aqueles adolescentes que tiverem o melhor desempenho durante a capacitação.

“Temos hoje 95 jovens cumprindo medidas socioeducativas e, ainda, uma demanda reprimida aguardando o cumprimento. Precisamos de projetos com caráter pedagógico que possam dar esperança para eles que, em algum momento de suas vidas, tomaram decisões infelizes. O primeiro passo dado foi a conquista dos cursos. Depois, caminharemos para a inserção desses meninos e meninas no mercado. Alguns empresários se sensibilizaram com a causa e aceitaram de imediato absorver parte dessa mão-de-obra. E assim, juntos, continuaremos a caminhar, trabalhando para dar novos horizontes para aqueles que achavam que um momento como esse jamais chegaria”, declarou o promotor de justiça Maurício Wanderley.