O Governo de Alagoas e a Universidade Federal de Alagoas (Ufal) pretendem fortalecer a parceria para a expansão do ensino superior no interior do Estado. Nesta segunda-feira (28), durante café da manhã no Museu Théo Brandão, a reitora Ana Dayse Dórea apresentou dados sobre a interiorização da universidade a secretários de Estado, deputados federais e prefeitos alagoanos.

Hoje, a Ufal atua em dois polos no interior: o de Arapiraca (campus Agreste), com extensões em Palmeira dos Índios, Viçosa e Penedo, e o de Delmiro Gouveia (campus Sertão), que também possui atividades em Santana do Ipanema. Juntos, eles totalizam 5.000 alunos matriculados, 300 professores efetivos, 100 técnicos administrativos concursados e 27 cursos de graduação.

Segundo a reitora, a próxima meta do projeto de interiorização é implantar o campus litoral, com sede em Porto Calvo, atendendo a municípios do litoral Norte e Zona da Mata.

Cooperação – As secretarias de Estado da Educação e do Esporte (SEE), Ciência e Tecnologia e Planejamento estão entre os principais órgãos governamentais que desenvolvem ações conjuntas com a universidade. No caso da SEE, a parceria se dá na cessão de prédios – em Delmiro Gouveia, o Estado cedeu salas da Escola Watson Clementino até que o prédio do campus Sertão esteja pronto para aulas – como também nas ações de formação inicial e continuada de professores da rede pública.

O secretário de Estado da Educação e do Esporte, Rogério Teófilo, chamou atenção para o fato de mais de 60% dos alunos aprovados para o polo sertanejo serem oriundos de escolas públicas estaduais. “No passado, o acesso ao ensino superior era distante para muitos desses jovens, pois eles não tinham como se deslocar até Maceió. Hoje, graças ao processo de interiorização, este sonho se transforma em realidade, fixando o conhecimento nos municípios alagoanos”, destaca.

A reitora Ana Dayse Dórea informou que a universidade, a SEE, a Universidade Estadual de Alagoas (Uneal) e a Universidade Estadual de Ciências da Saúde (Uncisal) vão intensificar as ações de formação inicial e continuada com os professores da rede pública por meio dos polos de educação à distância do programa Universidade Aberta do Brasil (UAB).

No momento, existem polos UAB em Maceió, Maragogi, Olho d’Água das Flores, Santana do Ipanema e São José da Lage. “No entanto, como temos uma demanda de formação de 42.000 professores da rede pública, em especial os que atuam nos municípios, estamos nos organizando para implantar mais 13 polos”, conta a reitora.

Agroalimentar

O secretário de Estado da Ciência e Tecnologia, Eduardo Setton, que é professor licenciado da Ufal, ressaltou a importância da universidade para a transformação social do estado e avisou que a Secretaria já elabora projeto para a criação de um polo agroalimentar entre os municípios de Arapiraca e Batalha.

“Este projeto consiste na construção de laboratórios onde as nossas universidades poderão empreender pesquisas para impulsionar a agricultura familiar na região”, adianta.

Também participaram da reunião o presidente do Lifal, Keylle Lima (na ocasião, representando a Secretaria de Estado do Planejamento); os deputados federais Joaquim Beltrão, Célia Rocha e Rosinha da Adefal e os prefeitos Renilde Bulhões (Santana do Ipanema) e Israel Saldanha (Penedo).