Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Durante a manhã desta segunda-feira (23), deputados e senadores debateram, no auditório da Casa da Indústria, os principais problemas que a região Norte-Nordeste enfrenta há decadas. No evento, foram propostas soluções sobre a divisão do pré-sal para todo o Brasi e os melhores caminhos para a evolução da economia na região.

O senador Benedito de Lira (PP), que é presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado Federal, fez um discurso bairrista, descorrendo sobre as riquesas do eixo Norte-Nordeste e criticando a falta de investimentos na região.

“É inadimissivel que ainda hoje existam pessoas em Alagoas e em outras reigões do ‘eixo’,que ingiram água com barro, estamos em pleno século XXI e precisamos mostrar que o Nordeste faz parte do Brasil”, colocou o senador se mostrando bastante chateado com a situação.

O governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) disse que Alagoas se encontra saindo de "um poço", que foi desenhado por anos pelos antigos gestores do executivo. “Nosso modelo de governabilidade mostra que estamos no caminho certo, trouxemos várias industrías e desenvolvimento para o estado de Alagoas. Os problemas que enfrantamos, hoje, necessitam de uma ajuda do governo Federal e, só assim poderemos alçar maiores voos”, salientou Vilela relatando que nos últimos quatro anos Alagoas recebeu em torno de R$ 4 bilhões em investimento em diversas áreas.

Vilela acentuou ainda que o Plano Marshall foi de salutar importância para a reconstrução dos países aliados durante a II Segunda Guerra Mundial, colocando também que esse modelo deveria ser implantado na região Norte/Nordeste.

“Em Alagoas, temos mais de 53,6 % que vivem abaixo da linha da pobreza, precisamos acabar com isso e disponibilizar uma melhor qualidade vida para toda essa população”, pontuou o governador, criticando também o atual modelo de cobrança do juros da dívida por parte do governo federal.

O Senador Fernando de Collor de Melo (PTB) fez coro às declarações de Vilela, ressaltando que o valor dos juros cobrados pelo governo Federal estrangula as contas do estado de Alagoas.“Além do pagamento dos juros, temos o problema de mão de obra que não é qualificada. Não só em Alagoas mas também em diversos estados da União”, disse Collor, propondo ao governador de Alagoas uma reunião quinzenal com a bancada do estado para que sejam debatidas e propostas as melhores soluções para os problemas dos alagoanos.

“Téo Vilela mostra que vem trabalhando pelo estado de Alagoas mas, não se pode fazer muito sem ter recurso financiero. Os programas assistêncialistas tem resolvido um pequeno problema da população brasileira, mas precisamos de muito mais para evolução socio-enconômica da região”, emendeou Collor.

O evento contou também com as presenças das deputadas Célia Rocha (PTB), Rosinha da Adefal e dos deputados federais Gilvado Carimbão (PSB) e João Lyra (PTB). Além de secretários de Estado e convidados.

O encontro acontecerá em mais 11 regiões até o final de 2011 e será realizado nos estados sob a jurisdição da Superintêndência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), com organização da Subcomissão de Desenvolvimento do Nordeste do Senado.