Brasil/Mundo

Brasil registra 1.340 novas mortes em 24 h, o segundo maior número em 2021

  • UOL
  • 20/01/2021 20:03
  • Brasil/Mundo
Covid-19

O Ministério da Saúde divulgou hoje que foram confirmados 1.340 novos óbitos causados pela covid-19 de ontem para hoje, elevando para 212.831 o total de mortos desde o início da pandemia. Pelos dados do Ministério, este é o segundo maior número de 2021 - atrás apenas do último dia 7, quando foram cadastradas 1.524 novas mortes entre um dia e outro. 

Pelo segundo dia consecutivo, o Brasil registrou mais de mil novas mortes provocadas pela covid-19 nas últimas 24 horas. Nesta terça-feira (19), foram computados 1.192 novos óbitos.

Foram confirmados 64.385 testes positivos para a covid-19 em todo o país nas últimas 24 horas. Desde o começo da pandemia, o número de infectados subiu para 8.638.249. 

De acordo com o governo federal, 7.564.622 pessoas se recuperaram da doença, com outras 860.796 em acompanhamento.

China acelerará envio da matéria-prima de vacina de covid-19, diz Maia

  • Agência Brasil*
  • 20/01/2021 16:45
  • Brasil/Mundo
Foto:Câmara dos Deputados
Rodrigo Maia

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira (20), após reunião virtual com o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, que o atraso na liberação de insumos chineses para a produção da CoronaVac no Brasil se deve a razões técnicas e não políticas.

Maia destacou que o embaixador deixou claro que não há obstáculo diplomático para entrega do material para os imunizantes. Segundo o presidente da Câmara, o governo chinês se comprometeu em trabalhar para acelerar a exportação dos insumos para a fabricação de vacinas contra a covid-19 no Brasil.

"O governo chinês vai trabalhar para acelerar a chegada desses insumos. O diálogo com o governo de São Paulo e o Instituto Butantan vai fazer com que a gente consiga avançar o mais rapidamente possível. A decisão do governo chinês é atender a população brasileira", destacou.

Rodrigo Maia disse ainda que, até o momento, a embaixada chinesa não comunicou nenhum contato do governo brasileiro para tratar do tema.

*Com informações da Agência Câmara

Escritório de SP na China negocia liberação de insumos da vacina

  • Uol
  • 20/01/2021 16:33
  • Brasil/Mundo
Foto: Divulgação
João Dória. governador de São Paulo.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse hoje que conta com a atuação de um escritório do governo paulista na China para negociar a liberação de insumos para a produção da CoronaVac. Doria afirmou que a direção do escritório comercial de São Paulo em Xangai vem acompanhando a situação. O impasse impacta diretamente na produção de mais doses da vacina contra covid-19 no Instituto Butantan.

"O escritório do governo de São Paulo em Xangai abriu novos entendimentos com autoridades da China para a liberação dos insumos da vacina do Butantan", disse Doria durante entrevista coletiva realizada no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

O governador paulista aproveitou para valorizar a instalação do escritório durante a sua gestão. Em agosto de 2019, o governo de São Paulo criou em Xangai a unidade da InvestSP (Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade). Segundo Doria, o escritório já ajudou a trazer respiradores e EPIs (Equipamento de Proteção Individual) importados da China no início da pandemia.

"Nosso diretor-geral da nossa unidade da China está em Pequim acompanhando a liberação de insumos para a vacina do Butantan", afirmou o governador, citando José Mario Antunes, que dirige o escritório chinês.

O próprio Antunes também deu um depoimento virtual durante a entrevista coletiva e confirmou a negociação com os chineses. Ele disse que as conversas correm "muito bem" e que vem mantendo "contato diário" com autoridades chinesas para liberar a carga do laboratório Sinovac, parceiro do Butantan no desenvolvimento da CoronaVac.

De acordo com o diretor do Butantan, Dimas Covas, a previsão da instituição é de que o novo lote de matéria-prima chegue da China até o fim de janeiro.

"Nossa previsão de chegada, como mencionei, é de que 5,4 mil litros [de insumos] cheguem até o fim desse mês. E mais 5,6 mil litros até o dia 10 de fevereiro. Essa matéria-prima está pronta e aguardando trâmite burocrático", disse Covas.

O diretor do Butantan também previu que na próxima semana já poderá iniciar a distribuição ao Ministério da Saúde dos 4,8 milhões de doses que esperam um novo aval da Anvisa. Segundo Dimas Covas, a agência federal já concluiu a documentação enviada pelo Butantan e fez um pedido de esclarecimento ao laboratório paulista.

Entrave sobre insumos

Desde que teve o primeiro pedido de uso emergencial para a CoronaVac aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), no último domingo (17), o Instituto Butantan e o governo paulista se preocupam com a continuidade da produção da vacina na fábrica do Butantan, em São Paulo. Como a CoronaVac é o único imunizante aprovado até agora com doses disponíveis para serem aplicadas no país, a questão se tornou urgente.

Para evitar que a campanha nacional de imunização pare por falta de vacinas, o Butantan precisa da chegada de insumos vindos da China. A expectativa é produzir mais 10 milhões de doses até o fim de janeiro. Até agora, o laboratório paulista já forneceu 6 milhões de doses ao PNI (Programa Nacional de Imunização) e tem mais 4,8 milhões prontas para serem distribuídas.

As doses que estão prontas no Butantan, porém, aguardam a aprovação de mais um pedido de uso emergencial feito à Anvisa, que prometeu uma resposta até sexta-feira (22). O novo aval é necessário porque essas doses foram envasadas no país, enquanto os primeiros 6 milhões vieram prontos da China, produzidas pelo laboratório Sinovac.

A informação do governo paulista é de que o Sinovac tem os insumos prontos para a entrega, mas aguarda a conclusão de questões burocráticas para a liberação da carga. Por conta disso, Dimas Covas chegou a cobrar ontem "dignidade" do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para ajudar a destravar a importação.

Isso porque Bolsonaro tem feito desde o ano passado afirmações negativas em relação à CoronaVac, e propagando desconfiança sobre a China. Além do presidente, um dos seus filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), chegou a criar um desgaste diplomático ao acusar a China de suposta espionagem por meio da sua rede de tecnologia 5G.

Reunião com embaixador

Hoje pela manhã, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), atual aliado de Doria, se reuniu de forma virtual com embaixador da China no Brasil, Yang Wanming. Após a reunião, Maia afirmou que não há entraves políticos para a chegada dos insumos da China, e que Wanming está trabalhando para acelerar o processo.

Já Doria chegou a dar hoje uma previsão de 48 horas para ter uma resposta da China sobre a importação.

ONG distribui saquinho de maconha para quem se vacinar contra a Covid-19

  • IG
  • 20/01/2021 16:32
  • Brasil/Mundo
AFP

Em Washington , nos Estados Unidos , uma ONG decidiu distribuir um saquinho de maconha para cada pessoa que for até os postos de vacinação para receber o imunizante contra a Covid-19 .

A campanha da ONG DC  Marijuana Justice (DCMJ) recebeu o apelido de "Baseados por Vacinas". Um dos fundadores, Adam Eidinger, disse que a iniciativa é uma forma de apoiar a ciência. "Se você acredita na ciência que apoia a cannabis medicinal, deve acreditar na ciência que apoia a eficácia da vacina", afirmou.

"Estamos procurando maneiras de celebrar com segurança o fim da pandemia e desconhecemos algo que seja capaz de unir as pessoas mais do que a cannabis ", disse à Forbes Nikolas Schiller, outro fundador do coletivo.

"A DCMJ acredita que a cannabis deve ser consumida com segurança e responsabilidade, e a pandemia tornou incrivelmente difícil para muitos adultos compartilharem sua cannabis cultivada em casa", acrescentou.

Segundo o portal, essa não é a primeira vez que a DCMJ distribui maconha. Em janeiro de 2017, a ONG ofereceu milhares de cigarros da erva no momento da posse de Donald Trump. A ONG planejava fazer algo parecido para comemorar a posse do democrata Joe Biden. No entanto, com o avanço da pandemia nos EUA, os planos mudaram e eles pretendem fazer uma grande distribuição em julho deste ano.

 

Fiocruz diz que só deve entregar primeiras doses da vacina de Oxford em março

  • Folhapress
  • 19/01/2021 21:50
  • Brasil/Mundo
Foto: Justin Tallis/AFP

A Fiocruz prevê que só deve entregar no início de março as primeiras doses da vacina de Oxford/AstraZeneca produzidas no Brasil, já que a chegada de insumos da China atrasou. A promessa anterior, feita no final de dezembro, era fornecer o primeiro lote do imunizante por volta de 8 de fevereiro.

O novo cronograma consta em um ofício da fundação encaminhado nesta terça (19) ao Ministério Público Federal, que acompanha e apura as estratégias de vacinação contra a doença. O documento foi obtido primeiramente pelo jornal Estado de S. Paulo.

O texto de pouco mais de uma página, assinado pelo diretor do Instituto Bio-Manguinhos, Mauricio Zuma Medeiros, foi uma resposta a um ofício do procurador federal Marcos Alencar Friaça que questionava sobre as datas de entrega das 2 milhões de doses prontas que serão trazidas da Índia e da outra parcela que será processada no Brasil pela Fiocruz.

A previsão da fundação é que o IFA (ingrediente farmacêutico ativo) - material necessário para fazer a vacina produzido por uma parceira da AstraZeneca na China - chegue no próximo sábado (23), mas ainda é necessária confirmação. A importação, que inicialmente estava prevista para dezembro, depende da liberação do país asiático.

Após a chegada do insumo, a Fiocruz diz que ainda será preciso mais de um mês para o fornecimento das vacinas, já que, depois de produzidas, as doses ainda terão que passar por testes de qualidade. Estima-se que esses testes levem 17 dias, somados a mais 2 dias de análise pelo INCQS (Instituto Nacional de Controle da Qualidade em Saúde)​.

Isso se a matéria-prima chegar no dia previsto e se a qualidade do imunizante for aprovada. Caso contrário, o prazo pode se esticar.

"Estima-se que as primeiras doses da vacina sejam disponibilizadas ao Ministério da Saúde em início de março de 2021, partindo da premissa de que o produto final e o IFA apresentarão resultados de controle de qualidade satisfatórios, inclusive pelo INCQS", diz trecho do ofício.

Ainda segundo o documento, os lotes de IFA devem chegar em 30 remessas, com intervalos de duas semanas. Eles serão suficientes para produzir os 100,4 milhões de doses prometidas até julho pela fundação, que afirma já estar com uma linha de envase pronta para entrar em funcionamento.


Sobre os 2 milhões de doses prontas que estão na Índia, a Fiocruz responde que ainda não é possível precisar a data de envio. "Isto porque, embora a carga contendo essas doses já esteja disponível, negociações diplomáticas entre os governos da Índia e do Brasil ainda se encontram pendentes de ajuste final para autorização do processo de envio", diz.

O lote foi uma estratégia frustrada do Ministério da Saúde para antecipar o início da imunização. Nesta terça (19), o ministério das Relações Exteriores da Índia informou que começará a exportar vacinas nesta quarta (20) para seis países da sua região, portanto que não incluem o Brasil.

O ofício da Fiocruz diz também que o trecho do contrato com a AstraZeneca que prevê a transferência de tecnologia para que a vacina de Oxford seja inteiramente de produção nacional está sendo revisado, sem dar mais detalhes.

"Em razão de ajustes necessários de ordem técnica, a minuta do Contrato de Transferência de Tecnologia está sendo revisada pelas partes, havendo previsão de sua assinatura até meados de fevereiro", afirma a instituição.

Após a divulgação do documento, a Fiocruz disparou uma nota à imprensa dizendo que segue com o compromisso de entregar 50 milhões de doses até abril deste ano, 100,4 milhões até julho e mais 110 milhões ao longo do segundo semestre, totalizando 210,4 milhões de vacinas em 2021.

A fundação reforçou que, "embora ainda dentro do prazo contratual em janeiro, a não confirmação até a presente data de envio do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) poderá ter impacto sobre o cronograma de produção inicialmente previsto de liberação dos primeiros lotes entre 8 e 12 de fevereiro".

Também disse que o cronograma de produção será detalhado assim que a data de chegada do insumo estiver confirmada​.

A instituição vinha mantendo silêncio na última semana diante do risco da produção da vacina contra a Covid-19 atrasar por falta de matéria-prima. Assim como a AstraZeneca, a instituição tem negado pedidos de entrevista e não tem respondido a perguntas sobre os problemas que tem enfrentado para o início do processo.

Brasil registra 1.183 novas mortes por covid em 24 h; óbitos somam 211.511

  • UOL
  • 19/01/2021 20:12
  • Brasil/Mundo
Foto: Reprodução
Covid-19

O Brasil voltou a registrar mais de mil mortes por covid-19 em um intervalo de 24 horas. Foram cadastrados 1.183 novos óbitos causados pela doença de ontem para hoje, chegando a um total de 211.511 mortes desde o início da pandemia. O levantamento foi feito pelo consórcio de veículos de imprensa. 

Na última semana, pelos dados do consórcio, houve cinco dias seguidos com mais de mil novas mortes confirmadas em um período de 24 horas. Entre 12 e 16 de janeiro, foram 1.109, 1.283, 1.151, 1.131 e 1.039, respectivamente.

De ontem para hoje, houve 63.504 diagnósticos positivos para o novo coronavírus em todo o país. Desde o começo da pandemia, o número de infectados chegou a 8.575.742. Foram 969 mortes em média nos últimos sete dias. 

O Ministério da Saúde divulgou hoje que o país registrou 1.192 novos óbitos provocados pela covid-19 nas últimas 24 horas. No total, 211.491 pessoas morreram devido à doença desde o começo da pandemia.

De ontem para hoje, houve 62.094 testes positivos para a covid-19 em todo o país. Desde o início da pandemia, o total de infectados subiu para 8.573.864. 

Segundo o governo federal, 7.518.846 pessoas se recuperaram da doença, com outras 843.527 em acompanhamento.

Vacinação tem início em todos os estados do Brasil

Após falhas de logística do Ministério da Saúde que atrasaram a distribuição da CoronaVac, dez estados e o Distrito Federal deram início na manhã de hoje à aplicação do imunizante produzido pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório Sinovac.

 Assim, todos os estados do Brasil já começaram a vacinação contra a covid-19. Durante a manhã de hoje, Acre, Alagoas, Amapá, Bahia, Distrito Federal, Pará, Paraíba, Sergipe, Rio Grande do Norte, Rondônia e Roraima marcaram o início da imunização em cerimônias em suas respectivas capitais. No domingo (17), São Paulo aplicou a primeira dose no Brasil. 

Ontem, outros estados também começaram a vacinação. A entrega das vacinas foi iniciada na manhã de ontem, após aprovação da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), no dia anterior, para o uso emergencial das vacinas da Sinovac e da AstraZeneca, no domingo.

Saúde alerta sobre ligações e SMS falsos de cadastro para vacinação

  • Agência Brasil
  • 19/01/2021 16:50
  • Brasil/Mundo
Foto: Agência Brasil
Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde não liga e não envia SMS para que os cidadãos se cadastrem para tomar a vacina contra covid-19. O alerta foi feito pela pasta em 14 de janeiro, em nota e nas redes sociais oficiais.

As ligações do tipo são golpe com objetivo de clonar aplicativos de mensagem, alertou o ministério. A pasta reiterou que não faz agendamento de vacinação, não solicita dados das pessoas nem envia quaisquer tipos de códigos para usuários do sistema de saúde.

Nas ligações, os golpistas tentam extrair dados pessoais com promessas de agendar a vacinação. Numa das modalidades, pede-se que seja confirmado um código enviado por SMS, que dá aos golpistas acesso ao aplicativo de mensagens do dono do celular.

“O Ministério da Saúde não telefona para marcar vacinação e jamais pede esse tipo de confirmação de dados”, afirmou a pasta.

Se alguém receber ligações ou mensagens pelo celular com promessa de agendamento e solicitando dados pessoais ou outras informações, a orientação do Ministério da Saúde é que a pessoa não forneça qualquer dado e denuncie a autoridades competentes.

A vacinação contra covid-19 já começou em maior parte do país, após a distribuição de um primeiro lote de 6 milhões de doses. A autoridades sanitárias alertam, no entanto, que neste primeiro momento somente públicos prioritários estão sendo imunizados.

A definição cabe a cada unidade da federação, mas em geral têm sido priorizados trabalhadores de saúde na linha de frente e idosos em casas de repouso. Por esse motivo, neste momento, “a população geral não deve procurar os postos de saúde”, frisa o Ministério da Saúde.

 

São Paulo

O governo de São Paulo também fez alertas contra sites falsos de cadastro para vacinação e confirmou a veracidade de seu próprio site, o Vacine Já, no qual cidadãos e cidadãs podem fazer um pré-cadastro para a imunização.

A iniciativa busca agilizar a coleta de dados e não realiza agendamentos, informou o governo de São Paulo. São pedidos dados como telefone, e-mail, endereço e data de nascimento. O cadastro completo será concluído no momento da vacinação.

Índia inicia exportação de vacinas, mas ignora Brasil

  • Terra
  • 19/01/2021 15:25
  • Brasil/Mundo
Foto: EPA / Ansa

O governo da Índia divulgou nesta terça-feira (19) um comunicado no qual anuncia o início das exportações de vacinas anti-covid produzidas no país, mas não cita o Brasil entre os destinos dos imunizantes.

A nota foi publicada pelo Ministério das Relações Exteriores indiano e diz que o governo recebeu "vários pedidos de fornecimento de vacinas".

"Em resposta a essas solicitações e mantendo o compromisso de usar a produção da Índia para ajudar a luta humanitária contra a pandemia, o fornecimento para Butão, Maldivas, Bangladesh, Nepal, Myanmar e Seychelles vai começar em 20 de janeiro", diz o comunicado.

A chancelaria ainda afirma que aguarda "necessárias liberações regulatórias" do Sri Lanka, do Afeganistão e das Ilhas Maurício. O governo brasileiro já anunciou a importação de 2 milhões de doses da vacina de Oxford produzidas na Índia, mas Nova Délhi ainda não confirmou a venda.

O Ministério da Saúde chegou a preparar um avião para buscar a carga na Índia e disse que as doses poderiam chegar ainda nesta semana, porém o comunicado do Ministério das Relações Exteriores do país asiático não cita o Brasil em nenhum momento.

"Tendo em vista as exigências internas, a Índia vai continuar fornecendo vacinas contra a Covid-19 para países parceiros nas próximas semanas e meses, de forma escalonada. Será garantido que os fabricantes locais tenham estoques adequados para atender às necessidades domésticas", acrescenta a nota.

Devido à demora na liberação das 2 milhões de doses da vacina de Oxford pela Índia, o governo federal teve de iniciar o programa nacional de imunização com a CoronaVac, a qual o presidente Jair Bolsonaro sempre tentou desacreditar.

Pará entra em colapso por falta de oxigênio

  • Terra
  • 19/01/2021 15:16
  • Brasil/Mundo
Foto: Marx Vasconcelos / Futura Press

Pelo menos seis pessoas morreram nas últimas 24 horas por asfixia no município de Faro, no Pará, segundo a prefeitura da cidade. A realidade no local é de colapso na área da saúde com a falta de oxigênio, leitos e medicamentos para os pacientes em tratamento da covid-19. O município fica na divisa com o estado do Amazonas.

A situação mais preocupante é na comunidade de Nova Maracanã, onde pelo menos 34 pacientes estão hospitalizados. A situação também atinge as cidades vizinhas de Terra Santa (PA) e Nhamundá (AM).

Na manhã desta terça, 19, o prefeito Paulo Carvalho conseguiu comprar 20 balas de oxigênio na cidade de Santarém (PA). Além de Santarém, Faro também costuma comprar suprimentos de oxigênio em Manaus, no Amazonas. "Ambas as cidades estão em crise. A demanda é maior que a quantidade, porque a produção está comprometida", diz, referindo-se à crise na empresa White Martins, fornecedora de oxigênio hospitalar na região oeste do Pará.

Prevendo o aumento de casos da doença, a prefeitura local triplicou o número de leitos, passando de 6 para 30. Segundo o médico da Unidade Básica de Saúde de Faro, Yordanes Peres, o oxigênio recebido hoje garante apenas dois dias de tratamento dos pacientes internados. "Nós estamos vivendo uma crise, na contramão para tentar salvar vidas. Estamos trabalhando 24 horas para isso", explicou.

Na semana passada, o Governo do Pará proibiu a circulação de embarcações vindas do Estado do Amazonas em território paraense. O fechamento da fronteira segundo o governador Helder Barbalho foi uma medida preventiva para evitar o contágio pela covid-19.

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) informou que no Pará duas empresas são responsáveis pelo fornecimento de oxigênio, White Martins e Air Liquide. Somente a empresa White Martins produz atualmente 58 mil m3 por dia, quantidade suficiente para o abastecimento de todo o Estado. A Sespa esclarece, ainda, que é responsabilidade das secretarias municipais de Saúde a manutenção de contratos e a aquisição do produto para abastecimento local.

Covid-19: Brasil passa das 210 mil mortes causadas pela pandemia

  • Notícias ao Minuto
  • 18/01/2021 20:53
  • Brasil/Mundo
Foto: © .
Exame para detectar a Covid-19

O Brasil passou das 210 mil mortes ocasionadas pela pandemia do novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, as autoridades de saúde registraram 452 óbitos pela Covid-19. Com isso, o total de mortes chegou a 210.299. Há 2.766 óbitos em investigação por equipes de saúde.

A atualização da situação de casos e mortes causados pela pandemia foi divulgada pelo Ministério da Saúde na noite desta segunda-feira (15).

A contabilização de pessoas infectadas desde o início da pandemia alcançou 8.511.770. Entre ontem e hoje, foram acrescidos às estatísticas 23.671 novos diagnósticos positivos.

Ainda há 849.424 pessoas com casos ativos em acompanhamento por profissionais de saúde e 7.452.047 pessoas já se recuperaram da doença.

Em geral, os registros de casos e mortes são menores aos domingos e segundas-feiras em razão da dificuldade de alimentação dos dados pelas secretarias de saúde aos fins de semana. Já às terças-feiras, os totais tendem a ser maiores pelo acúmulo das informações de fim de semana que são enviadas ao Ministério da Saúde.

Estados

Na lista de estados com mais mortes o topo é ocupado por São Paulo (49.987), Rio de Janeiro (27.805), Minas Gerais (13.483), Ceará (10.223) e Pernambuco (10.031). As unidades da Federação com menos óbitos são Roraima (811), Acre (837), Amapá (1.005), Tocantins (1.316) e Rondônia (2.031).

São Paulo também lidera no número de casos, com 1.628.272 casos registrados desde o início da pandemia, seguido de Minas Gerais (646.091) e Santa Catarina (543.389). Os estados com menor número de casos são Acre (44.775), Roraima (71.065) e Amapá (73.626).

Ministro da Saúde fala sobre vacinação contra covid-19

  • Agência Brasil
  • 17/01/2021 17:46
  • Brasil/Mundo
Foto: Reuters

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, concede entrevista, neste momento, sobre a vacinação contra a covid-19 no país. A coletiva é no Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), no Rio de Janeiro.

Neste domingo (17), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou o uso emergencial no país das vacinas CoronaVac, do Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e da AstraZeneca, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em parceria com o consórcio Astrazeneca/Oxford. A reunião durou cerca de cinco horas.

No caso da CoronaVac, a taxa de sucesso na prevenção da doença em relação ao grupo que tomou placebo (medicamento inócuo) atingiu 50,39%, segundo a agência. Para a AstraZeneca, a Anvisa confirmou a eficácia global do imunizante em 70,42%.

O Ministério da Saúde afirmou que após a aprovação da Anvisa, o início da vacinação pode ocorrer em até cinco dias. A previsão é de que o processo possa começar no dia 20 ou 21 de janeiro.

Enfermeira foi a primeira pessoa a ser vacinada contra a Covid-19 no Brasil, após aprovação

  • Redação*
  • 17/01/2021 15:47
  • Brasil/Mundo

A primeira pessoa a receber uma dose da vacina CoronaVac, logo após Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizar o uso emergencial, é mulher, negra e enfermeira do Hospital Emílio Ribas. Ela está há oito meses na linha de frente do combate ao coronavírus

Trata-se da enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, moradora de Itaquera, com perfil de alto risco para complicações da covid-19. Ela é obesa, hipertensa e diabética.

Apesar de se enquadrar nessas condições, em maio do ano passado, no auge da primeira onda da doença, ela se inscreveu para vagas de CTD (Contrato por Tempo Determinado), escolhendo trabalhar no Emílio Ribas, no epicentro do combate à pandemia.

 

*Com Terra

Anvisa aprova uso emergencial das vacinas CoronaVac e AstraZeneca no Brasil

  • Redação*
  • 17/01/2021 15:16
  • Brasil/Mundo
Foto: Agência O Globo
CoronaVac

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das vacinas CoronaVac e AstraZeneca contra o coronavírus, em reunião realizada neste domingo (17), abrindo caminho para o início da imunização no Brasil contra uma doença que já deixou quase 210 mil mortos.

No caso da CoronaVac, da chinesa Sinovac, a relatora dos pedidos, Meiruze Freitas, impôs como condição para o uso emergencial a assinatura pelo Instituto Butantan, autor do pedido, de um termo de compromisso para apresentação de mais dados sobre a vacina até 28 de fevereiro, e a subsequente publicação no Diário Oficial.

Três dos cinco diretores do órgão regulador votaram a favor do uso emergencial de 2 milhões de doses da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, que serão importadas da Índia pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), e de 6 milhões de doses da CoronaVac importadas da China pelo Instituto Butantan. Ainda faltam dois votos para término da reunião.

Somente a vacina do Butantan está disponível para aplicação imediata na população no momento, uma vez que houve atraso na importações das doses da vacina da AstraZeneca da Índia.

O Ministério da Saúde solicitou na sexta-feira ao Instituto Butantan a "entrega imediata" das doses da vacina CoronaVac para o início da imunização nacional, mas o governo de São Paulo havia dito que pretendia manter uma parte das doses no Estado para iniciar a vacinação.

Neste domingo, o governador de São Paulo, João Doria, afirmou que determinou que o Butantan entregue imediatamente após a aprovação as vacinas ao Ministério da Saúde.

 

*Com Terra

Oxigênio enviado por Bolsonaro serviria por poucas horas

  • Terra
  • 17/01/2021 11:26
  • Brasil/Mundo
Foto: Agência O Globo
Jair Bolsonaro

Duas cargas de oxigênio encaminhadas pelo governo federal a Manaus, no mês de maio de 2020 e neste final de semana, dariam para abastecer o Amazonas por apenas poucas horas.

Na manhã deste sábado, o presidente Jair Bolsonaro propagandeou nas redes sociais que no dia 3 de maio mandou um carregamento de 200 cilindros de oxigênio ao Estado, algo em torno de 2 mil metros cúbicos do produto. Também no sábado, o Ministério da Defesa divulgou nota destacando que mais 6 mil metros cúbicos foram encaminhados ao Estado, o que totalizaria 8 mil metros cúbicos do oxigênio.

De acordo com o governo do Amazonas, no entanto, a demanda diária, que estava antes do segunda onda da pandemia de covid-19, em torno de 30 mil metros cúbicos, subou para mais de 70 mil na última semana. As duas remessas, dessa forma, não somariam nem 10% da demanda total de um dia dos hospitais do Estado.

Se for levado em conta os duzentos cilindros de oxigênio que o presidente da República, Jair Bolsonaro, disse no Twitter que enviou no mês de maio para o Amazonas, o volume não daria para abastecer os hospitais do Estado nem por duas horas, mesmo se fosse considerada a demanda de períodos anteriores à pandemia.

Desde a última quarta-feira, 13, quando o sistema de saúde do Amazonas entrou definitivamente em colapso, o presidente passou a ser cobrado a dar uma resposta imediata ao problema. As mortes de pessoas por asfixia, devido à falta de oxigênio, ganharam o mundo.

O governo brasileiro também foi duramente criticado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Nas redes sociais e no meio político o presidente também passou a ser cobrado com maior intensidade, até que Bolsonaro resolveu, nesta sexta, 15, se defender. "Fiz tudo o que estava ao meu alcance, o problema agora é do Estado do Amazonas e da Prefeitura de Manaus", disse.

No dia seguinte aos partidos de oposição anunciarem que vão ingressar com um novo pedido de impeachment, o presidente foi às redes sociais, neste sábado, para reafirmar que o governo estaria agindo. "Desde o início da pandemia o @govbr, além de recursos, enviou material humano e oxigênio para o Amazonas", destacou, no Twitter.

A postagem é acompanhada de um vídeo, da Secretaria Especial de Comunicação, que informa que o governo mandou duzentos cilindros de oxigênio para o Amazonas no mês de maio.

Além do oxigênio, Bolsonaro diz no Twitter que o Ministério da Defesa entregou no Estado 31 toneladas de álcool em gel, no início da pandemia, em aviões cargueiros da Força Aérea Brasileira (FAB).

A reportagem procurou o Palácio do Planalto, neste sábado, para que o governo pudesse comentar a postagem do presidente. O Estadão também quis saber se outras cargas de oxigênio, além da informada pelo presidente, foram enviadas pelo governo a Manaus durante a pandemia. O governo não quis comentar.

Governo do Rio cria carnaval fora de época

  • Agência Brasil
  • 17/01/2021 11:11
  • Brasil/Mundo
Foto: Reuters

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, sancionou lei que cria um carnaval fora de época no estado, no mês de julho. A data exata do evento ainda não foi definida, e a assessoria de imprensa do governo esclareceu que a lei sancionada possibilita a realização do evento, mas que irá seguir as recomendações das autoridades sanitárias.  

O adiamento do carnaval já havia sido anunciado pela Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) e por grupos que representam blocos de carnaval tradicionais da cidade. Apesar da mudança forçada devido à pandemia de covid-19, o carnaval em julho deve se tornar anual, segundo o texto sancionado por Claudio Castro. O objetivo da medida é estimular o turismo, o lazer e a economia.  

O evento foi batizado de CarnaRio e, segundo a lei, a organização deve ser discutida entre a Secretaria de Estado de Cultura, as ligas de Escolas de Samba, agremiações e blocos carnavalescos.  

Com enredos definidos, as escolas de samba do grupo especial já sortearam a ordem dos desfiles, que estão previstos para ocorrer nos dias 11 (domingo) e 12 (segunda) de julho. O presidente da Liesa, Jorge Castanheira, reiterou, no entanto, que a vacinação da população contra a covid-19 será fundamental para a realização do evento.

Estão previstos para o domingo (11/07) os desfiles de Imperatriz Leopoldinense, Viradouro, Beija-Flor de Nilópolis, Salgueiro, Mangueira e São Clemente. Já na segunda (12/07), será a vez de Paraíso do Tuiuti, Grande Rio, Mocidade, Vila Isabel, Portela e Unidos da Tijuca.

Bahia

Na Bahia, o carnaval de Salvador também está oficialmente suspenso pela prefeitura da capital por causa da pandemia. A medida foi anunciada ainda em novembro, pelo agora ex-prefeito ACM Neto.  

"A possibilidade de o carnaval acontecer em outro momento de 2021 está condicionada à existência de uma vacina acessível a todos. Caso exista vacina, os prefeitos das maiores cidades do Brasil se unam para um eventual calendário. Agora, nem eu, nem Bruno [Reis, prefeito de Salvador que assumiu em janeiro], nem ninguém pode estabelecer uma data, porque essa data dependerá da vacina", disse ACM Neto em entrevista coletiva.  

 

Um projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados estabelece novo feriado nacional nos dias 5 e 6 de julho, quando seria comemorado o carnaval. A proposta é de autoria do deputado Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr (PP-RJ).

Pernambuco

Em Pernambuco, a decisão de cancelar a folia foi tomada pelo próprio governo do estado. A medida, anunciada no dia 17 de dezembro, também em entrevista coletiva, vale para todo o estado, que abriga um dos carnavais mais tradicionais do país, principalmente na capital Recife e nas ladeiras da histórica cidade de Olinda

Antes mesmo da suspensão oficial, uma das agremiações carnavalescas mais importantes de Pernambuco, o Homem da Meia- Noite, que abre o carnaval de Olinda, já havia cancelado o seu sempre aguardado desfile, em nome da preservação da saúde.

Mega-Sena sorteia neste sábado prêmio de R$ 13 milhões

  • Agência Brasil
  • 16/01/2021 10:37
  • Brasil/Mundo
Foto: Divulgação
Mega Sena

A Mega-Sena sorteia neste sábado (16) um prêmio de R$ 13 milhões.

As seis dezenas do concurso 2.335 serão sorteadas, a partir das 20h (horário de Brasília), no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal Rodoviário Tietê, na cidade de São Paulo.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília), em qualquer casa lotérica credenciada pela Caixa, em todo o país ou pela internet.

O volante, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50.

INSS: prazo para recorrer de auxílio-doença negado termina hoje

  • Agência Brasil
  • 16/01/2021 08:51
  • Brasil/Mundo
Ilustração/Arquivo
Agência do INSS

O segurado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que teve o auxílio-doença negado em 2020 tem até este sábado (16) para agendar uma nova perícia médica. O pedido deve ser feito pelo aplicativo Meu INSS ou pelo telefone 135.

Pode recorrer da decisão quem pediu o adiantamento do auxílio e teve o benefício negado e quem requereu o auxílio-doença a partir de 1º de fevereiro de 2020, mas não conseguiu passar pela perícia médica.

Desde setembro, as perícias voltaram a ser presenciais nas 491 agências do INSS em todo o país, após meses de atendimento virtual por causa da pandemia da covid-19. Apenas os médicos peritos pertencentes a grupos de risco – como pessoas com mais de 60 anos, grávidas, lactantes e pessoas com doenças graves – continuam trabalhando remotamente.

Ao ir para a perícia, o segurado deverá levar todos os documentos que comprovem o motivo do afastamento do trabalho, como laudos, exames, atestados e receitas médicas. O auxílio-doença é pago a empregados que não podem ir ao trabalho por mais de 15 dias em decorrência de enfermidade ou de acidente.

Para evitar a aglomeração de pessoas nas agências, o INSS antecipou, entre março e novembro, parte do auxílio doença. O segurado recebeu um adiantamento de até R$ 1.045 – valor do salário mínimo no ano passado – sem a necessidade de perícia. Após a confirmação do benefício pelo médico perito, a quantia recebida antecipadamente seria descontada dos futuros pagamentos.

De acordo com o INSS, a diferença entre o salário mínimo e o valor do auxílio doença, caso este seja superior ao mínimo, foi paga em dezembro. Eventuais ajustes estão sendo feitos neste início de 2021.

Após dois anos, MP denuncia 11 pessoas por incêndio no Ninho do Urubu

  • EBC
  • 15/01/2021 21:15
  • Brasil/Mundo
Tomaz Silva/Agência Brasil
Ninho do Urubu

O Ministério Público (MP) denunciou à Justiça pelo crime de incêndio culposo qualificado 11 pessoas apontadas como responsáveis pela tragédia do Ninho do Urubu, quase dois anos atrás. No dia 8 de fevereiro de 2019, o incêndio no Centro de Treinamento do Flamengo provocou a morte de dez adolescentes e lesões em mais três.

Segundo a denúncia, oferecida junto à 36ª Vara Criminal da Capital, houve desobediência a sanções administrativas impostas pelo Poder Público por descumprimento de normas técnicas regulamentares e ocultação das reais condições das construções existentes no local ante a fiscalização do Corpo de Bombeiros.

De acordo com o MP, houve ainda contratação e instalação de contêineres em discordância com regras técnicas de engenharia e arquitetura para servir de dormitório de adolescentes, inobservância do dever de manutenção adequada das estruturas elétricas e inexistência de plano de socorro e evacuação em caso de incêndio.

A ação penal relata que, antes do incêndio, o Centro de Treinamento tinha sido interditado pelo fato de o Flamengo exercer ilegalmente atividade no local. A denúncia destaca que, em 2015, o MP ajuizou ação civil pública buscando a interdição imediata do alojamento da base do Flamengo, justamente por conta da sua estrutura precária e da ausência de monitores treinados e adequados para cada grupo de dez jovens, inclusive durante o período noturno.

De acordo com o MP, o denunciado Eduardo Carvalho Bandeira de Mello, então presidente do clube e detentor final da tomada de decisão, optou por não cumprir a disponibilização de um monitor por turno para cada dez adolescentes residentes e por não adequar a estrutura física do espaço destinado a eles às diretrizes e parâmetros mínimos.

Conforme a denúncia, Bandeira tinha plena ciência do estado de clandestinidade administrativa dos módulos habitacionais. Ainda segundo o MP, os outros denunciados também incrementaram o risco ao negligenciar diversos cuidados necessários e adotar condutas que caracterizam imperícia.

Ao fim do processo, os denunciados estarão sujeitos a penas de detenção de 1 ano e 4 meses a 4 anos, com aumento de pena de um sexto até a metade, em razão do concurso formal.

Bandeira de Mello foi procurado pela reportagem, mas não retornou o pedido de posicionamento sobre a denúncia.

Lewandowski determina que governo federal forneça oxigênio e insumos a hospitais de Manaus

  • STF
  • 15/01/2021 20:57
  • Brasil/Mundo
Foto: STF
Ricardo Lewandowski,

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou ao governo federal que disponibilize oxigênio e outros insumos necessários ao atendimento de pacientes internados nos hospitais de Manaus, capital do Amazonas, e que apresente à Corte, no prazo de 48 horas, um plano detalhado, a ser atualizado a cada dois dias, com estratégias de enfrentamento da situação de emergência no estado em razão da pandemia da Covid-19. O relator deferiu, em parte, pedido de tutela de urgência apresentado na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 756 pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Situação caótica

Segundo o ministro, a caótica situação sanitária instalada no sistema de saúde de Manaus exige uma pronta, enérgica e eficaz intervenção das autoridades sanitárias dos três níveis político-administrativos da Federação, em particular da União. Ele afirmou que o direito social à saúde se coloca acima da autoridade de “governantes episódicos”, pois configura dever do Estado, entidade político-jurídica que representa o povo.

Medidas concretas

Com base na Constituição Federal (artigo 21, inciso XVIII), Lewandowski ressaltou que o principal papel da União no combate à pandemia corresponde à “magna e indeclinável” tarefa de planejar e promover, em caráter permanente a defesa de todos os brasileiros e estrangeiros residentes no país contra as calamidades públicas. O relator observou que o compartilhamento de competências dos entes federados na área da saúde não exime a União de atuar e acrescentou, amparado por precedentes da Corte, que cabe ao Judiciário impor à administração pública a adoção de medidas concretas que assegurem direitos essenciais, como o direito à saúde (RE 668722 e AI 734487, entre outros).

Índia nega envio imediato de vacinas; governo admite fracasso na operação e requisita Coronavac

  • Redação*
  • 15/01/2021 20:34
  • Brasil/Mundo
Foto: Divulgação
Avião da Azul foi adesivado especialmente para a missão de trazer 2 milhões de doses da Índia.

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, fez uma última tentativa em vão para tentar manter o cronograma estabelecido pelo governo federal para trazer 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford da Índia para o Brasil. 

Em contato telefônico com o chanceler indiano Subrahmanyam Jaishankar, Araújo ouviu que não seria possível atender à demanda brasileira neste momento.

Segundo fontes diplomáticas, Araújo e Jaishankar conversaram e o chanceler indiano deixou claro que há boa vontade em fornecer as doses produzidas pelo Serum Institute. No entanto, questões logísticas no momento impedem o país asiático de cumprir a previsão do governo brasileiro, que era de trazer o avião de volta da Índia com as doses a tempo de iniciar a vacinação contra a covid-19 na próxima quarta (20) ou quinta-feira (21).

O argumento principal é de que a Índia iniciará amanhã a sua própria campanha de vacinação contra a doença causada pelo novo coronavírus. O país conta com a vacina para imunizar sua população porque aprovou o seu uso emergencial no primeiro dia do ano.

Desta maneira, com a negativa da Índia em atender imediatamente o pedido do governo brasileiro, dificilmente será mantido o cronograma de decolagem na noite de hoje do avião da Azul responsável por trazer as doses. A aeronave, que já foi até adesivada especialmente para a missão, está desde ontem no Aeroporto dos Guararapes, no Recife, após sair de Campinas (SP), e tinha previsão de partir rumo à cidade indiana de Mumbai às 23h (de Brasília).

Na tarde de hoje, o governo federal solicitou a entrega imediata de todas as seis milhões de doses da vacina CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo. O ofício foi encaminhado pela pasta a Dimas Covas, diretor do Butantan.

O governo de São Paulo vai recorrer ao STF (Supremo Tribunal Federal) da mesma forma que fez no caso das seringas. Além disso, o Butantan questionou o governo federal sobre quantas doses da CoronaVac serão destinadas ao estado de São Paulo.

O diretor do Departamento de Logística em Saúde, Roberto Ferreira Dias, solicita a disponibilização das 6 milhões de doses importadas e que foram objeto do pedido de autorização de uso emergencial perante a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

"Ressaltamos a urgência na imediata entrega do quantitativo contratado e acima mencionado, tendo em vista que este Ministério precisa fazer o devido loteamento para iniciar a logística de distribuição para todos os estados da federação de maneira simultânea e equitativa, conforme cronograma previsto no Plano Nacional de Operacionalização da vacinação contra a covid-19", diz trecho do documento.

A assessorias do Ministério da Saúde e do governo de São Paulo e não se pronunciaram a respeito.

 Já o Butantan emitiu uma nota oficial, na qual confirma que "recebeu o ofício do Ministério da Saúde e já enviou resposta perguntando à pasta federal qual quantitativo será destinado ao Estado de São Paulo. Para todas as vacinas destinadas pelo instituto ao Programa Nacional de Imunizações (PNI), é praxe que uma parte das doses permaneça em São Paulo, estado mais populoso do Brasil. Isso acontece, por exemplo, com a vacina contra o vírus influenza, causador da gripe. Portanto, o instituto aguarda manifestação do Ministério também em relação às doses da vacina contra o novo co.

 

*Com Agências Nacionais

Pelo 4º dia seguido, Brasil registra mais de mil novas mortes por Covid-19

  • UOL
  • 15/01/2021 20:31
  • Brasil/Mundo
Imagem: Eduardo Anizelli/Folhapress
Equipe médica atende paciente com Covid-19

Pelo 4º dia seguido, o Brasil registrou mais de mil novas mortes por covid-19 nas últimas 24 horas. De ontem para hoje, foram confirmados 1.131 novos óbitos em todo o país. Desde o começo da pandemia, 208.291 pessoas morreram por conta da doença, de acordo com boletim divulgado nesta sexta-feira (15) pelo consórcio de veículos de imprensa.

Pelos dados do consórcio, nos dias 12, 13 e 14 foram cadastradas, respectivamente, 1.109, 1.283 e 1.151 novas mortes causadas pela covid-19. Das 1.131 novas mortes computadas hoje, 113 foram no Amazonas — o quarto estado com maior número de ocorrências no período, atrás de São Paulo (311), Minas Gerais (154) e Rio de Janeiro (150).

De ontem para hoje, houve 68.138 diagnósticos positivos para o novo coronavírus em todo o país, elevando o total de infectados para 8.394.253 desde o início da pandemia. Foram 964 mortes em média por dia na última semana.

Em boletim divulgado nesta sexta-feira (15), o Ministério da Saúde informou que foram cadastrados 1.151 novos óbitos causados pela covid-19 de ontem para hoje. Desde o início da pandemia, 208.246 pessoas morreram devido à doença. 

Pelos números do Ministério, este é o 4º dia consecutivo com mais de mil novas mortes cadastradas em um período de 24 horas: entre 12 e 14 de janeiro, foram computadas, respectivamente, 1.110, 1.274 e 1.131 novas mortes por covid-19.

Houve 69.198 testes positivos para a doença nas últimas 24 horas em todo o país. O total de infectados desde o começo da pandemia subiu para 8.393.492. 

Segundo o governo federal, 7.361.379 pessoas se recuperaram da doença, com outras 823.867 em acompanhamento.

 

Vacina contra Covid: Ministério da Saúde pede ao Butantan entrega 'imediata' de 6 milhões de doses

  • G1
  • 15/01/2021 17:55
  • Brasil/Mundo
Foto: Agência Brasil
Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde enviou nesta sexta-feira (15) ao Instituto Butantan um ofício no qual pediu a entrega "imediata" de 6 milhões de doses importadas da vacina contra a Covid-19.

O documento é assinado pelo diretor do Departamento de Logística em Saúde, Roberto Ferreira Dias, e endereçado ao diretor do instituto, Dimas Covas. O G1 procurou o Instituto Butantan e aguardava resposta até a última atualização desta reportagem.

"Solicitamos os bons préstimos para disponibilizar a entrega imediata das 6 milhões de doses importadas e que foram objeto do pedido de autorização de uso emergencial perante a Anvisa", diz o documento.

"Ressaltamos a urgência na imediata entrega do quantitativo contratado e acima mencionado, tendo em vista que este ministério precisa fazer o devido loteamento para iniciar a logística de distribuição para todos os estados da federação de maneira simultânea e equitativa, conforme cronograma previsto no Plano Nacional de Operacionalização da vacinação contra a Covid--19", acrescenta o ministério.

Ainda no documento, o governo federal informa ao Butantan que, no próximo domingo (17), a Anvisa analisará os pedidos de uso emergencial de duas vacinas.

Vacinas na Índia

Também nesta sexta-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o avião que buscará vacinas na Índia partirá "daqui a dois, três dias".

Ao todo, são cerca de dois milhões de doses da vacina adquirida do laboratório Serum.

"Foi tudo acertado para disponibilizar 2 milhões de doses. Só que hoje, neste exato momento, está começando a vacinação na Índia. É um país com 1,3 bilhão de habitantes. Então, resolveu-se — aí não foi decisão nossa — atrasar um ou dois dias, até que o povo comece a ser vacinado lá. Lá também tem as pressões políticas de um lado e de outro. Isso daí, no meu entender, daqui a dois, três dias no máximo, nosso avião vai partir e vai trazer esses 2 milhões de vacinas para cá", declarou Bolsonaro.

Polícia apreende simulacro de fuzil na casa de Nego do Borel

  • Terra
  • 15/01/2021 16:28
  • Brasil/Mundo

A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro apreendeu um simulacro de fuzil na casa do cantor Nego do Borel nesta sexta-feira, 15. A arma para a prática de paintball foi encaminhada para exame pericial.

"A polícia acabou de sair da minha casa. Vieram aqui e eu autorizei a entrarem na minha casa, não tem nada de errado. Eles viram. Levaram uma arma de airsoft que eu tinha, que ela [Duda Reis] fala que eu 'tinha uma arma em casa'.", afirmou o cantor em seu Instagram.

"Nós estamos dentro da nossa legalidade, eu e toda minha equipe. A gente está correndo atrás do nosso direito na forma legal para provar para vocês a minha inocência de tudo que está acontecendo", prosseguiu.

A Polícia Civil foi ao local após "notícia veiculada nos meios de mídia" indicando que Nego do Borel "possuiria em sua residência um fuzil". Os policiais realizaram diligências a fim de apurar a denúncia, apreenderam o simulacro de fuzil e encaminharam para exame pericial.

Recentemente, Nego do Borel foi alvo de acusações de traição (assumida por ele), agressão, e relacionamento abusivo por parte de sua ex-noiva, Duda Reis. O cantor nega as acusações mais graves: "Sim, eu traí e assumo. Eu nunca agredi ela. Nunca pratiquei qualquer tipo de violência contra ela".

Em stories recentes, Duda Reis afirmou: "Eu era manipulada, tinha medo, ele me ameaçava, dizia que ia mandar matar a minha família. Eu era dependente emocional dele, era um amor confuso. Eu apanhava e depois recebia amor, então eu tinha medo".

Na última quinta-feira, 14, a atriz revelou que foi à Delegacia de Defesa da Mulher e confirmou que sua advogada será a ex-BBB Gizelly Bicalho, advogada criminalista que tinha oferecido publicamente seus serviços à atriz após ela ter revelado que sofreu ameaças e agressões físicas durante seu relacionamento com Nego do Borel.

Após as acusações, o cantor perdeu parcerias com algumas marcas. Nego do Borel chegou a se pronunciar na última quarta, 13, confirmando que "sim, houve traição, que foi um erro do qual não me orgulho" e alegou que "têm saído muitas mentiras a meu respeito' e que "tem seu lado da história".

Manaus vai transferir 235 pacientes com covid-19 para 7 estados e DF

  • Agência Brasil
  • 15/01/2021 15:22
  • Brasil/Mundo
Foto: Divulgação / FAB

O governo do Amazonas informou nesta sexta-feira (15) que 235 pacientes com covid-19 serão transferidos da rede pública hospitalar de Manaus para sete estados e para o Distrito Federal. Um primeiro grupo que estava na internado na rede estadual foi removido na manhã de hoje para continuar o tratamento na capital piauiense, Teresina.

Segundo o Ministério da Saúde, as transferências ocorrerão por via aérea e estão garantidos - de imediato - 149 leitos: 40 em São Luís (MA); 30 em Teresina (PI); 15 em João Pessoa (PB); 10 em Natal (RN); 20 em Goiânia (GO); 04 em Fortaleza (CE); 10 em Recife (PE) e 20 no Distrito Federal.

A pasta informou ainda que os pacientes que serão trasladados atendem a critérios clínicos definidos pela equipe médica. O transporte será feito em parceria com o Ministério da Defesa por duas aeronaves da Força Aérea Brasileira com capacidade de 25 pacientes deitados em macas.

Situação nos estados

Teresina é a primeira capital que receberá pacientes de covid-19 oriundos de Manaus. O estado do Piauí tem atualmente 52,1% de ocupação em leitos de UTI (146) e conta com 134 leitos disponíveis. Até o momento, o estado já registrou 2.930 mortes provocadas pelo novo coronavírus.

Segundo o governo do Piauí, o estado tem 801 leitos ativos (entre UTI e enfermaria). Atualmente, os leitos de covid-19 estão 44% ocupados. O sistema informa que há 153 leitos de UTIs ocupados e outros 152 disponíveis.  

De acordo com o Painel Covid-19 atualizado pelo governo do Maranhão, o estado tem 62,22% dos leitos exclusivos para o novo coronavírus ocupados. Atualmente, há 84 leitos livres, o correspondente a 37,78%. O estado registra 245 pacientes internados por coronavírus em leitos de UTI na rede pública hospitalar.

Dados da Secretaria de Saúde da Paraíba apontam que o estado tem 801 leitos ativos (entre UTI e enfermaria). Atualmente, os leitos para covid-19 estão 44% ocupados. O sistema informa que há 153 leitos de UTIs ocupados e outros 152 disponíveis. O município com maior número de leitos é João Pessoa, com 139 leitos de enfermaria e 59 leitos de UTI.

O Rio Grande do Norte tem atualmente 64,29% dos leitos de UTI para tratamento de covid-19 na rede pública hospitalar ocupados. Segundo o governo do estado, 11 leitos de UTI e 9 leitos clínicos estão bloqueados para atendimento de pacientes. Esse bloqueio pode ser realizado por fatores como manutenção, rede de gases em manutenção, vazamentos ou falta de pessoal.

A secretaria de Saúde do estado de Goiás informou que a taxa de ocupação de leitos de UTI para tratamento de covid-19 estão com taxa de ocupação de 59,29%. A capital goiana tem 295 leitos, dos quais 197 estão ocupados (66,78%). O município deve receber cerca de 20 pacientes de Manaus.  

Segundo o governo do Ceará, no estado os leitos de UTI registram uma ocupação de 64,8% e estão com tendência de alta. Os dados disponíveis no sistema, contudo, ainda são referentes à dezembro de 2020.

Os dados sobre internação em Pernambuco englobam informações sobre pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e indicam que há uma ocupação de 83% dos leitos de UTI na rede hospitalar do estado, com 973 pessoas em tratamento. Outros 892 pacientes ocupam leitos de enfermaria nos hospitais para tratamento de covid-19.

A capital federal deve receber cerca de 20 pacientes de Manaus. Atualmente, o Painel Covid-19 no Distrito Federal registra 68,12% de ocupação em leitos públicos com suporte de ventilação mecânica. A rede inclui leitos em hospitais particulares do DF. Segundo o sistema, quase 80% dos pacientes permanecem até 15 dias em internação.