177099c6 11f3 4f89 a4af c4f34a7d0acf

Com a desistência da vice-prefeita Fabiana Pessoa (PRB) em disputar uma das 27 vagas da Assembleia Legislativa (ALE) nas eleições de outubro, o grupo político e a família decidiram lançar o nome do estudante universitário Randerson Pessoa, que, se eleito, deverá herdar a cadeira deixada pelo pai, o deputado estadual e pré-candidato a deputado federal, Severino Pessoa.

Com apenas 24 anos de idade e estudante do curso superior de Gestão Pública, Randerson Pessoa poderá ser um dos – se não o mais – candidatos mais jovens na disputa por uma das vagas da ALE. 

Determinado e focado na campanha, Randerson se diz preparado para dar continuidade ao trabalho iniciado pelo pai e contribuir para o desenvolvimento de Arapiraca e do Agreste.

Em entrevista concedida ao Cada Minuto, Randerson afirma que pretende criar projetos voltados à Educação, Esporte, Cultura, assim como dar uma atenção especial à agricultura familiar, principal geradora de emprego e renda na região.
 

ENTREVISTA


Com a desistência da vice-prefeita Fabiana Pessoa lhe foi dada a missão de ser pré-candidato na disputa por uma das vagas na Assembleia Legislativa. Como você recebeu esse convite?
Da forma mais natural possível. Quem é filho de político sabe que é necessário sempre estar atento e preparado, pois, mais cedo ou mais tarde esse tipo de missão nos é dada. Sinto-me seguro, determinado e pronto para iniciar uma campanha que terá a participação de outros candidatos que podem contribuir para o desenvolvimento de Arapiraca e do Agreste.


Com apenas 24 anos, você se sente preparado para entrar na vida pública?
Sim. Nos últimos anos tenho acompanhado o meu pai, que vive, respira e até sonha com política. Com ele aprendi que política não se faz com barulho ou com holofotes, mas com trabalho, dedicação e sempre buscando atender o interesse coletivo. A renovação política é algo salutar para a democracia. Sinto-me preparado para ser deputado por Alagoas e representar o Agreste na Assembleia Legislativa.


Após as convenções, você poderá ser o candidato mais jovem a disputar uma das vagas na Casa de Tavares Bastos. Qual será o seu discurso para conquistar eleitores?
Meu discurso será aquele que o povo quer ouvir: o discurso verdadeiro, aquele que se pode cumprir. Não adianta falar bonito apenas para impressionar e depois ser cobrado pelo o que não se fez. O bom político é aquele que honra os compromissos, aquele que escuta as pessoas e, na medida do possível, trabalha para atender cada uma das demandas.


 


Qual é o seu diferencial perante aos demais pré-candidatos?
Cada um dos pré-candidatos tem suas qualidades, suas peculiaridades. Na minha visão, todo e qualquer pré-candidato que pretenda representar um município é necessário, no mínimo, conhecer sua região. Existem candidatos que se dizem da terra, mas passaram a maior parte da vida morando fora e hoje precisam de GPS para andar em Arapiraca. Apesar da pouca idade conheço bem o meu município e os principais problemas enfrentados pela população. Diante dessas circunstâncias esse pode ser o meu diferencial.


Sendo eleito no próximo dia 7 de outubro como será a atuação do deputado Randerson Pessoa na ALE?
Se Deus permitir e o povo me der essa oportunidade buscarei defender os interesses dos agrestinos, em especial dos jovens, que na maioria das vezes concluem os estudos e não conseguem ingressar no mercado de trabalho, enquanto outros sequer conseguem concluir os estudos. Irei criar projetos voltados à Educação, e à valorização do Esporte e da Cultura. Também darei uma atenção especial à agricultura familiar, principal geradora de emprego e renda na região.


Na sua opinião qual o principal problema vivido pelos arapiraquenses?
Os problemas são vários, mas creio que o principal deles é a perda da autoestima. Até bem pouco tempo o povo de Arapiraca se orgulhava da cidade, que crescia, tinha ruas limpas, praças bem cuidadas e obras por toda a parte. Hoje percebo as pessoas desmotivadas e revoltadas com a falta de zelo do poder público. A cidade está mal cuidada, as unidades de saúde sem medicamentos e escolas sem merenda e até sem gás para cozinhar. É lamentável ligar o rádio pela manhã e só ouvir reclamações e denúncias que parecem não ter fim.


Qual a mensagem você deixa ao povo alagoano, em especial aos agrestinos?
A renovação política é uma arma importante da população. Se os antigos não deram ou não estão dando certo a hora é de mudar, testar novos representantes. Reconheço que o povo brasileiro está desenganado com boa parte da classe política. Mas votar nulo, votar em branco não representa nada na contagem dos votos. Mudar e acreditar na juventude é o melhor caminho.