Lucas Ferreira - Ascom Prefeitura Arapiraca 89f146ba 26d8 4fe1 a81f fecc9ca26c9a

O Minuto Arapiraca traz uma retrospectiva dos fatos que marcaram o ano de 2017 para os arapiraquenses e a população de todo o Agreste alagoano. Nossa equipe de reportagem também foi as ruas para ouvir o que as pessoas esperam para o ano de 2018.

No mundo político, o ano foi de mudanças e muita dificuldade. Após vencer uma das eleições mais disputadas da história, o tucano Rogério Teófilo assumiu o comando da segunda maior cidade do Estado, sucedendo um grupo político que detinha o poder há 20 anos.

Em seu primeiro dia de trabalho Rogério se deparou com servidores “inflamados”, que cobravam os pagamentos do mês de dezembro e do décimo terceiro salário, deixados em aberto pela gestão anterior, que tinha no comando Célia Rocha. A Prefeitura tinha uma dívida de R$ 29 milhões e a cidade tomada por buracos oriundos de uma obra de saneamento inacabada. Foram difíceis e de muita pressão.

Após doze meses, os problemas e desafios da gestão ainda são grandes, mas certamente amenizados com o pagamento em dia dos servidores e o anúncio do início de obras importantes para 2018, a exemplo da revitalização da área central de Arapiraca, construção do Centro de Convenções, reforma do campo do ASA, além das obras que já estão em andamento, a exemplo da construção da UPA e do Centro de Iniciação ao Esporte.

No esporte, uma das maiores decepções. A grande paixão dos arapiraquenses, o time do ASA, cai para a série D e deverá ter um ano de 2018 difícil, com poucos recursos e partidas realizadas em campos de várzea pelo interior do país. Apesar do drama vivido, os torcedores mais apaixonados acreditam que o “Fantasma Arapiraquense” dará a volta por cima em 2018, retornado à terceira divisão do futebol brasileiro.

Na área policial Arapiraca também viveu um ano marcado por muita violência. Apesar do Governo do Estado apresentar estatísticas que mostram a redução da violência, inclusive no número de homicídios, a população segue a cada dia mais acuada, presa em suas residências e cercadas por muros altos, cercas elétricas e muito medo.

Proporcionalmente ao número de habitantes, a cidade de Arapiraca é uma das que mais possuem motocicletas na região Nordeste. A imprudência, aliada ao alcoolismo e a falta de uma fiscalização mais eficaz por parte da polícia e órgãos de trânsito faz, a cada ano, aumentarem as estatísticas de pessoas que sofrem acidentes motociclísticos.

De acordo com dados fornecidos pelo Hospital de Emergência do Agreste, de janeiro até final de novembro deste ano deram entrada 10.145 pacientes vítimas de acidentes de trânsito, o que representa um quarto do total de atendimentos realizados pela unidade. Desse total, 9.149 tiveram o envolvimento de motocicletas.

sse tipo de acidente, o que representa um total de xx do total de atendimentos realizados pela unidade.

O que os arapiraquenses esperam de 2018

Arrumar um emprego, passar num concurso público e até mesmo encontrar a alma gêmea são os sonhos mais comuns entre os arapiraquenses para o ano de 2018.