E3059b67 6758 4dc9 9f2b 6a0d41b4e243

Durante a sessão ordinária da Câmara Municipal de Arapiraca (CMA), na noite da última terça-feira (19), o vereador Léo Saturnino (PMDB) disse que mesmo com a aprovação do Projeto que permite o convênio com o Consórcio Intermunicipal do Sul do Estado de Alagoas (Conisul), a falta de medicamentos para os postos e unidades de Saúde ainda vai continuar. 

Na teoria, o convênio com o Conisul autoriza o município a fazer a aquisição de medicamentos e insumos por meio de compras nas áreas médica, odontológica, especializada, ambulatorial e de assistência farmacêutica, de forma direta ou indireta, suplementares ou complementares ao Sistema Único de Saúde (SUS). Na prática, o entrave burocrático ainda vai fazer com que esses itens só estejam disponíveis no mínimo em 45 dias.   

“A falta de medicamento ainda vai permanecer durante uns 45 dias. O processo de compra destes itens não será resolvido de imediato, mas espero que o sistema esteja em pleno funcionamento o mais rápido possível porque quem está doente muitas vezes não pode esperar”, destacou.   

O vereador aproveitou para esclarecer que nem ele e nem o vereador Fábio Henrique (PCdoB) são os responsáveis pela falta de medicamentos nos postos e unidades de Saúde. 

“Chegaram a dizer que a falta de remédios e insumos seria por conta de que nós (Eu e o Fábio) não queríamos aprovar o Projeto do Conisul e isso jamais foi nosso pensamento. Pelo contrário, a ideia inicial do convênio foi de minha autoria e esta casa aprovou o Projeto que teve meu voto e também o voto do Fábio Henrique”, disse Léo. 

Segundo o vereador, a população tem a obrigação de saber quem são os verdadeiros culpados por todo o caos existente na saúde na atualidade. E disse ainda que nenhum vereador atrapalhou o processo para a compra de medicamentos. 

“O problema existe, a população é testemunha disso e sabe exatamente de quem é a culpa e não é dos vereadores”, finalizou.