F5fb066b 0fcd 4ab4 b254 e01fae41bad1

Hoje é véspera de Santo Antônio, o santo casamenteiro, que abre o período junino. É dia de soltar fogos e acender fogueira, mas é preciso ter cuidado na hora de comemorar, para que a festa não acabe em tragédia. A recomendação é da Eletrobras Distribuição Alagoas, que se preocupa em orientar para evitar acidentes com a rede elétrica.

As fogueiras não devem ser construídas debaixo ou próximo à rede elétrica, devido ao risco do fogo entrar em contato a rede elétrica e equipamentos. Da mesma forma, os fogos de artifício devem ser disparados em locais distantes da rede e jamais na direção de postes e cabeamento e nada de utilizar fogos clandestinos nem deixar crianças manusear os artifícios.

A Eletrobras também recomenda não soltar balões, devido ao alto risco de incêndios e acidentes. A prática, inclusive é proibida pela legislação ambiental. E para quem ainda não fez a decoração em casa, nas ruas ou em ‘palhoções’, a dica é nunca amarrar as bandeirolas em postes ou fios e ter cuidado com os materiais utilizados: evitar condutores de energia, como arames e metais e dar preferência a cordões e fitilhos, por exemplo.

A montagem de palhoças, barracas e arraiais deve ser feita com a utilização de produtos de difícil, em virtude do risco de incêndio. A ligação de energia provisória nos locais deve ser solicitada previamente à Eletrobras, informando-se o horário de utilização e a potência em watts dos equipamentos. Clique aqui para saber mais.

Os locais de festas devem observar requisitos de proteção, como a utilização de disjuntores adequados para a carga instalada, cálculos da bitola dos fios e instalação dos aterramentos em todos os circuitos. Os fios devem estar devidamente isolados, para que não entrem em contato com as estruturas dos palhoções, especialmente as metálicas.

Os cuidados devem ser adotados para que as comemorações ocorram com segurança em relação à rede elétrica. Em caso de acidentes, a população deve entrar em contato com a Eletrobras pelo telefone 0800 082 0196 e com órgãos de primeiros socorros, como os Bombeiros (193) e a Samu (192).