14939098211401

Em reunião ocorrida nesta quarta-feira (03) entre representantes das prefeituras de Teotônio Vilela e Junqueiro, além da Defensoria Pública do Estado (DPE), os representantes dos municípios declararam não haver possibilidade de acordo para indenizar  sobreviventes ou familiares das vítimas fatais do sinistro que culminou com sete mortes e dezenas de feridos.

Os representantes dos municípios alegaram não ter condições orçamentárias para isso, como também não se dispuseram a apresentar contraproposta, informou a assessoria de Comunicação da Defensoria.

Durante o encontro, as procuradoras dos municípios afirmaram que as prefeituras continuam prestando toda assistência psicológica e médica às vítimas e aos familiares delas, seguindo os termos do plano de contingência adotado por ambas.

Os municípios reafirmaram ainda que o serviço de transporte estudantil universitário continuará a ser ofertado.

O Defensor Público do Núcleo de Tutelas Coletivas, Carlos Eduardo, se disse frustrado com o descaso dos gestores envolvidos em relação as indenizações, pois esperava uma maior sensibilidade com a situação das vítimas e de familiares que perderam entes queridos na tragédia.

A Defensoria Pública continuará acompanhando de perto a situação e agirá em defesa dos interesses das vítimas e seus parentes a fim de garantir seus direitos. “Faltou um pouco de bom senso dos gestores dos Municípios envolvidos com a presente causa.

A solução administrativa, quanto às indenizações, evitaria a longa angústia que é esperar as demandas judiciais que virão em avalanche. Vamos aguardar as famílias e vítimas e envidaremos todos os esforços para que esse mal causado seja compensado, aguardando uma resposta rápida do Poder Judiciário para que possamos amenizar o sofrimento dos envolvidos na tragédia”, pontua o defensor público Carlos Eduardo de Paula Monteiro.