14359217901523

O Cine Sesi Cultural leva a sétima arte para cidades do interior do Brasil que não possuem salas de cinema ou cujas salas encontram-se desativadas. Em sua 10ª edição em Alagoas, o projeto teve uma pausa para as festas juninas e vai contemplar o município de Feira Grande, no próximo fim de semana, com sessões gratuitas na Praça do Comércio, de 03 a 05 de julho. O Cine Sesi Cultural é realizado pelo SESI e idealizado pela diretora de criação Lina Rosa Vieira.

Tem gente que só viu cinema pela televisão. Seja na novela, quando o moço leva a moça pra sair.  Ou no filme, quando outro filme acontece. Na vida real, o cinema é ficção para a maioria das cidades do interior do Brasil. Principalmente quando se trata de cinema de rua, que ao longo das últimas três décadas, tornaram-se cada vez mais raros  e se transformaram em supermercados, igrejas, lojas de departamento e até academias de ginástica. Financeiramente mais vantajosos, culturalmente devastadores.

Na contramão dessa tendência, o Cine Sesi Cultural desbrava as estradas dos estados brasileiros levando cinema de qualidade para municípios que não têm mais ou nunca tiveram salas de exibição. Em Alagoas, o projeto já esteve em cerca de 80 cidades e atingiu um público de mais de 750 mil pessoas, em nove edições. De volta ao Estado mais uma vez, o Cine Sesi percorrerá vinte cidades do interior alagoano, até outubro, com apresentações às sextas, aos sábados e aos domingos, quando serão sempre exibidos curtas e longas metragens. Tudo de graça.

“É um trabalho de resgate do cinema e de formação de plateia”, define Lina Rosa Vieira, idealizadora e diretora do projeto de democracia cultural, que em 2015 está completando 14 anos. “E em muitas dessas cidades, as pessoas estão tendo essa experiência pela primeira vez”.

Lina explica que é uma tarefa árdua porque o processo de extinção das salas de projeção de rua foi devastador. Os motivos são os mais variados: a expansão da TV aberta ao longo das décadas de 1970 e 1980, o VHS (que já morreu), o DVD (que está moribundo). Mais recentemente, a chegada de TV por assinatura e até questões de segurança pública, fazendo com que as pessoas prefiram ficar em casa. “Além disso, a própria distribuição dos filmes sempre foi difícil. As salas foram ficando inviáveis financeiramente e acabaram fechando as portas”, observa.

Ela reconhece que esse processo aconteceu também nas capitais, mas os shoppings acabaram se tornando um alternativa. “Praticamente não há mais cinemas de rua nas capitais. As pessoas passaram a optar pelas salas dos centros de compra”, reforça. Nesse sentido, o Cine Sesi também reafirma o direito à ocupação do espaço público pela população, já que as sessões acontecem em praças e pátios.